A Procter & Gamble (P&G) anunciou em Setembro que estendeu a licença de paternidade dos seus funcionários portugueses até dez semanas. O objetivo da empresa é promover uma mudança positiva e fomentar a igualdade, tanto no local de trabalho, como em casa.

A P&G tem vindo, ao longo dos anos, a fomentar o comportamento inclusivo de forma a fortalecer a sua cultura e melhorar os resultados. Situando a P&G como uma das empresas na Península Ibérica que mais semanas oferece aos seus funcionários para o cuidado dos fihos recém-nascidos, a medida é aplicada retroativamente desde 1 de janeiro de 2019, sendo extensível aos 12 primeiros meses a partir do nascimento do bebé. As semanas são desfrutadas em dias completos e adjacentes ao período de gozo legal.

Isabel Castro, Diretora de Recursos Humanos da Procter & Gamble em Portugal, afirma: “na P&G, oferecemos uma licença de paternidade de dez semanas desde o passado mês de janeiro. Esta medida faz parte de um programa mais amplo chamado #SharetheCare, cujo objetivo é que ambos os pais possam viver plenamente a experiência do cuidado do bebé, e contribuir para uma maior igualdade de oportunidades de trabalho entre homens e mulheres”.

“A extensão da licença de paternidade até dez semanas representa um novo marco no desenvolvimento do nosso compromisso com a igualdade de condições e oportunidades para homens e mulheres. A partilha no cuidado dos filhos, juntamente com outras formas de corresponsabilidade, é um elemento chave para se alcançar um local de trabalho inclusivo e diversificado a todos os níveis da empresa”, acrescenta.

Mudança cultural a nível europeu

A medida foi tomada no âmbito da política de corresponsabilidade da P&G na Europa e faz parte da iniciativa #ShareTheCare para a promoção da partilha no cuidado dos filhos, através de ações que evitam os preconceitos de género e favorecem a igualdade de oportunidades para ambos os pais.

“Não se trata apenas de uma nova política ou benefício social, mas de um desafio cultural que procura criar uma empresa mais inclusiva e comprometida com a corresponsabilidade e igualdade de oportunidades entre mães e pais”, afirma Pilar Mª Pérez Gil, líder de diversidade e inclusão na P&G RRHH Espanha e Portugal.

Estudos mostram que políticas que oferecem apoio aos pais melhoram o bem-estar dos funcionários e aumentam o vínculo familiar. Quando os homens dividem as tarefas domésticas e os cuidados dos filhos com as mulheres, as crianças apresentam um melhor rendimento escolar e aumentam a sua autoestima.

Pedro Rego, colaborador da P&G, foi pai há seis meses e poderá usufruir desta política que considera “uma iniciativa fantástica para os pais, mas principalmente para os bebés e para as mamãs. No primeiro ano de vida um bebé cria os laços familiares e as competências de socialização que o prepararão para a vida. Nesse processo, o pai deverá ter um papel importante e, quanto mais tempo dedicar à família, melhor.”